Lençóis Maranhenses

Aqui na Rede Felicidade a gente acredita que nada é para sempre, a não ser a própria impermanência das coisas e, às vezes, até de lugares, como os Lençóis Maranhenses.

A impermanência é a lei divina e por causa dela tudo evolui, recriando um novo a cada segundo. A natureza é um ótimo exemplo: as cores da primavera se transformam na luz pulsante do verão, que termina nas folhas amareladas do outono, que descansa no friozinho do inverno e novamente desperta na primavera. Lindo ciclo, não?

No Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses as estações são definidas de outra maneira: chuva ou seca, em um lugar que parece um deserto. Dunas incríveis que podem chegar a 20 metros de altura e vários rios e lagoas de cores diferentes. Os ventos sopram forte e atingem até 70 km/h, transportando as dunas e remodelando a paisagem boa parte do tempo. Olha aí, esse é mais um bom exemplo da impermanência da natureza.

Quer conhecer esse paraíso que abriga um pouquinho de toda a diversidade de ecossistemas naturais do Brasil?

Quando ir para pegar as lagoas cheias: de junho até metade de outubro.

Como chegar: o aeroporto mais próximo é o de São Luís do Maranhão, e fica a 260 km da cidade de Barreirinhas. As outras cidades bases dos Lençóis Maranhenses são Santo Amaro do Maranhão e Atins.

Meio de transporte para fazer passeios: tente montar um grupo de até 4 pessoas e alugue jardineiras (um tipo de barco) ou jipes credenciados para entrar no Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses.

Fotos: Rafael Neddermeyer

Voltar

Compartilhe com seus amigos

2 Comentario(s)

rita de cassia saron limeira disse:

Olhar p.este lugar me faz voltar…nao sei…uma saudade…os ventos.as areias…vidas passadas?🌙

Raquel disse:

Preciso olhar para a impermanência constante com mais naturalidade… Contraditório, mas real. Dá um medo! Talvez os Lençois Maranhenses possam me ensinar…
Beijos e obrigada, Bruna.

Comente esta publicação:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Livros