O Segredo Está no Seu Equilíbrio

O fanatismo, o extremismo, mesmo com boas intenções, costumam não funcionar, e isso nós fomos capazes de comprovar com os relatos da história da humanidade. O que temos aprendido é que a ‘verdade’ é temporal. Algo que não era bom deixa de ser bom, e o que era ruim, passa a ser bom. Estamos em constante aprendizado e evolução.

Por exemplo, quanta gente achava que ser vegetariano era radical demais, mas que após um tempo, pareceu ser a coisa mais fácil e lógica do mundo. Alguns se tornam veganos, o que para muitos, pode ser extremo demais, para eles, no entanto, é simplesmente a sua dieta, seu modo de viver. Isto ocorre porque o ponto de equilíbrio varia de pessoa para pessoa e de acordo com o tempo.

Quando descobri minha intolerância a lactose e alergia a proteína e soro do leite, ficar longe do requeijão, queijos e cremes com leite era quase que impossível. Hoje em dia, não sinto qualquer necessidade. Um novo ponto de equilíbrio foi estabelecido por mim. O mesmo ocorreu quando foi constatada a minha sensibilidade ao glúten. Pensei: Meu mundo caiu! Mas com o tempo, percebi que esse “obstáculo”, me abriu para tantos novos sabores e possibilidades, o qual sou muito grato. Meu ponto de equilíbrio tinha se alterado novamente. Sendo assim, tomar certo partido, radicalizando, pode não ser a melhor decisão.

Hoje somos acometidos por uma enxurrada de informações de todos os lados o que ao invés de nos ajudar, nos deixam desorientados. São os food evangelists (evangelistas alimentares), blogueiras, praticantes de atividades físicas, celebridades instantâneas, todos dizendo o que fazer e o que não fazer: Tome suco verde. Superfoods todos os dias. Nada de açúcar. Somente proteínas. Nada de carboidrato. Dieta disso, dieta daquilo. Porém, será que essas são as pessoas mais preparados para passar este tipo de recomendação? Você depositaria a sua saúde nas mãos de um mecânico ou no seu médico que estudou tantos anos para isso?

Será que por comer algo muito bom, todos os dias, e em grande quantidade, fará realmente bem? O nosso corpo só vai aproveitar uma parte disso, o excedente, trará efeitos não desejados. O segredo está no seu equilíbrio. A diversidade, o rodízio de alimentos, o respeito pela sua individualidade bioquímica (somos seres únicos), e acima de tudo, o ingrediente principal: pitadas de prazer, é o que realmente fará a diferença. Ser saudável é estar feliz.

Marcelo Facini Consultor em gastronomia funcional Instagram: marcelofacini
Voltar

Compartilhe com seus amigos

1 Comentario(s)

Malu Also disse:

Sim, devemos respeitar o nosso corpo, pois e nossso templo. Procuro comer o mais saudavel possivel, sem ser extremista, como de tudo um pouco, so que depende o momento.. Tambem aprendi que o nosso corpo muda e que nossa forma de alimentat tambem….

Comente esta publicação:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Beleza