A Liberdade de Amar

Tem pessoas que quando a gente encontra, sente logo de cara a mesma energia, a mesma frequência. A gente conversa e parece que um completa as frases do outro, os pensamentos se identificam, as sensações se reconhecem, e sentimos que a gente vê a vida de um jeito parecido. O sentimento que irradia é uma confiança imediata com aquela calma que dá quando ninguém precisar explicar muito pra se entender.

Se a gente pudesse contagiar mais pessoas, para que descobrissem essa cumplicidade entre elas, o mundo com certeza seria mais feliz. O relacionamento com outro ser humano, qualquer relação, afetiva ou sexual, é uma mais poderosas químicas do nosso sistema.
Quando ativamos uma relação íntima, verdadeira, confiável, ela se torna um catalisador que vai ativar o melhor dentro de nós. Nossa máquina vai produzir hormônios, equilibrar, harmonizar e potencializar tudo que temos.

Precisamos nos sentir amados para poder amar e superar o medo, a incerteza e a ansiedade. Se pudéssemos ter relacionamentos amorosos, saudáveis e construtivos, certamente, não haveria tanta dor, maldade e rancor no mundo.

Mas por que é tão complicado se relacionar? Por que desenvolvemos tantas distorções a partir desses sentimentos básicos?
É claro que numa relação existem obstáculos, ciladas, armadilhas e tentações no caminho. Diante de cada encruzilhada precisamos fazer uma escolha.

Amar requer coragem. Amor e Liberdade são forças primordiais da vida, mas em geral não caminham juntas, pois acreditamos que uma é a exclusão da outra. Como se amar fosse uma espécie de aprisionamento. Não, não é. A sabedoria é não separar uma da outra, mas aprender a amar respeitando as diferenças, a individualidade e a liberdade do outro.

Conhecer o outro e experienciar essa troca de emoções abre a porta para o nosso próprio autoconhecimento. É descobrindo o outro que vou descobrir a minha verdadeira essência. Eu me descubro através do olhar dele e ele através do meu olhar.

Juntos vamos confrontar nossas sombras, trevas, as passagens escuras da nossa alma , falar dos nossos fantasmas e saber que o amor nos ilumina e alivia o que nos pesa.

“O amor não pesa. Liberta-nos do peso das coisas” diz José Eduardo Agualusa. Todas as manifestações do amor são aspectos fundamentais da nossa energia vital. E tudo deriva dessa energia.

Parivartan é uma palavra sânscrita que significa transformação. Despertar o amor é a grande transformação, o mais profundo impulso dessa ação vem do amor. Através da relação amorosa podemos construir uma nova realidade.

Para os budistas e hinduístas nascemos para purificar nosso karma, e através dessa purificação vamos nos alinhar com o nosso dharma, o propósito da nossa alma.

Não somos perfeitos e nem perfeição é a nossa meta. Compreender o outro nos ajuda a compreender a nós mesmos. Descobrir o que somos é um ato de coragem. A coragem de se expor e de se ver exposto. A confiança é uma troca mágica que acende uma luz dentro de nós. E cada pequena luz pode ajudar a iluminar o mundo.

Voltar

Compartilhe com seus amigos

3 Comentario(s)

Agência Brasil disse:

Jornal TV

Sandra Lopes da Silva disse:

Temos que saber escolher a pessoa certa que não existe mais agente tenta até encontra a pessoa certa

Ezely Sinésio dos Santos disse:

Reflexão, somos um com universo, tudo que emanamos volta a nós de forma mágica, que possamos emanar amor, luz, gentileza, compreenssão e gratidão a tudo que nos rodeiam, seres animados ou inanimados.Desejo de ser amado e ser reconhecido e inerente do ser humano, o segredo está em amar, amar, amar, sem apego ou contraprestação.Assim reina a liberdade plena.

Comente esta publicação:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *