Hereditariedade e Ancestralidade

Na filosofia Seicho-No-Ie, aprendemos que assim como uma árvore não se rega nas folhas e sim nas raízes. Devemos antes de tudo, agradecer aos nossos antepassados, sem os quais não existiríamos. Faltasse um apenas, não estaríamos aqui.  A grande questão que se coloca é que se temos em nossas veias o sangue ancestral, o DNA influenciando nossa Hereditariedade física e biológica, também trazemos dentro de nós, a herança vibracional, espiritual de nossos queridos ancestrais. Pare e pense: desejos, medos, expectativas, ansiedades, traumas, sonhos, dons, talentos etc etc. Uma infinidade de sentimentos e vibrações que alteraram seus corpos físicos, a energia dos seus pensamentos, o existir de cada um, projetaram-se através dos seus descendentes.

A Terapia criada por Bert Hellinger, denominada: “Constelações Familiares” e a prática de gratidão aos antepassados praticados na Seicho-No-Ie e na Messiânica, demonstram a imensa influência ancestral nas gerações que os sucederam. Padrões vibratórios, dos enredos familiares, das histórias positivas e negativas de família que se repetem por décadas e por vezes, séculos!

No saber Oriental, conta-se que ao despertamos para nossa essência, nos iluminamos e provocamos uma onda de luz que alcança 5 gerações do passado ao futuro. Muitas curas espirituais já foram verificadas pelos praticantes das Constelações Familiares e destas filosofias mencionadas. Devemos sentir no profundo de nossas almas a alegria infinita e libertadora quando passamos a sentir gratidão aos nossos queridos antepassados. Papai e mamãe, avós, trisavós, muuuuito obrigado! Sem vocês eu não teria a oportunidade chamada de vida! Obrigado por tudo que passaram, por todos os esforços empreendidos, para que eu pudesse existir!

Não julgue os acontecimentos, agradeça a cada portal de luz que deu passagem a chegada de cada espírito no solo terreno, até que fosse o seu momento de vivenciar a experiência atual. Acolha, perdoe e comprometa-se a elevar o padrão vibratório, não pelo ego da superioridade, mas antes pela humildade da compreensão do Ser Divino que todos somos.

Ao observar as árvores num parque, cada uma de uma espécie, alimentando outras espécies, percebemos o poder das sementes que um dia germinaram e das raízes que buscaram os nutrientes na terra para o tronco subir, abrir seus galhos e gerar seus frutos. Estas raízes estão conectadas a cada fruto lá no alto e estão contidas em cada semente de cada fruto produzido. Quão sagrado é perceber que o que há em comum entre todas as raízes, chama-se “solo”. Ele é a fonte comum da energia onde todas as raízes buscam o alimento para se desenvolverem. O solo que é comum e une todas as raízes, portanto todas as árvores, chamam-se Deus! A fonte, a unidade comum, de infinita abundância e provisão de todas as existências conectadas na mesma unidade. Em quaisquer tempos, lugares e dimensões, somos “um”. Eis a hereditariedade da alma. Gratidão, gratidão, gratidão!

 

Namastê ❤️🙏

 

Gilberto Lima Jr Internacionalista, meditador, empreendedor dos segmentos de Inteligência Artificial, Automação, Blockchain e Biotecnologia glima06@gmail.com / @gilbertonamastech
Voltar

Compartilhe com seus amigos

2 Comentario(s)

Gilberto Lima Junior disse:

Muito Feliz com seu Comentário, Mara! Gratidão!!

Mara Chaves disse:

Engraçado que quando nós somos crianças aprendemos na escola o que significa hereditariedade (árvore geneologica) e vc faz um texto lindo sobre esse tema. Amei!!!

Comente esta publicação:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Jornadas de Conhecimento