Experiência de Deus

Quando eu era criança a minha relação com Deus era bem diferente.

Apesar de sempre ter sido bem sensitiva e saber com clareza onde eu queria ou não queria estar, Deus era um lugar ainda misterioso pra mim.

Eu lembro que tive que ir me confessar na igreja quando fiz primeira comunhão e eu confessei que assistia filmes da Disney e falava palavrão…rs

O padre disse que não era tão grave mas que eu tinha que ir rezar 3 Pai Nossos e 2 Ave Marias.

O lugar que eu tinha que fazer isso era um espaço mais no canto da igreja, que tinha um cheiro forte de madeira e alguma erva que queimava por ali, e eu não sei porque mas eu lembro que morria de medo.

Nunca rezei tão rápido, fechei meus olhinhos fiz o que disseram que ia me libertar de uns pecados e sai correndo.

No fim das contas era uma relação engraçada, e na minha experiência até mesmo pura.

Depois me afastei, quando com mais compreensão eu não via mais sentido em estar alí. Nada contra aos que permanecem em uma religião, inclusive hoje depois de caminhar um tanto por diversas rotas, acredito com todo meu coração que todas as religiões tem suas verdades.

Tem ritos bonitos e cheios de vida, e mensagens que nos fazem re-ligar.
E eu sinto afinidade com muitas delas, mas me sinto mais inteira e em conexão com Deus, quando sou livre pra sentir Sua presença em todos os espaços, não em um só.

A espiritualidade ampliou meus horizontes.

Hoje eu sinto Deus principalmente dentro de mim e na Natureza.

Em tantos momentos desafiadores ou de bálsamos, o que mais esteve presente em mim, foi Deus.

E hoje eu sinto com muito mais graça e profundidade o poder das rezas.

Lembro um dia que senti vontade de rezar Ave Maria, no fim de uma aula de Yoga.

E num lugar racional eu achei que talvez eu seria julgada por isso…

Que viagem é esse de misturar todas as coisas Carla?

Pois é, mas que viagem é essa de que é tudo separado?

De que um é mais sagrado que o outro. Não tem isso não…quem acha isso talvez esteja falando muito pra Deus, mas escutando pouco.

E um grande professor me ensinou que em oração, a gente conversa com Deus.

E em meditação a gente escuta Deus.

Eu tava escutando.

E eu sei que eu rezei. Em voz alta.

Do jeito novo que aprendi Ave Maria, com palavras que sinto mais presentes.

Eu estava com os olhos fechados e lembro de sentir meus pelos se arrepiarem na pele. Meu coração parecia aqueles tambores enormes de escola de samba de tão forte, dava o tom do rezo.

Amém, eu disse. Em vez de Namastê.

Eu lembro dos olhos dos alunos, dos sorrisos doces que surgiram, dos suspiros. Sem precisar de muito, nos agradecemos.

E muito me espanta, mas falar de tudo isso pra alguns ainda é um tanto polêmico.

Mas eu descobri que a Intenção vale mais do que muita lógica quando você vai ensinar ou aprender algo.

E se a sua intenção for compartilhar do ponto de Amor, no coração de Deus, isso vai tocar o coração dos homens.

 

Carla Labate Atriz, professora de yoga e meditação, com o propósito de compartilhar consciência através da arte labate.carla@yahoo.com.br
Voltar

Compartilhe com seus amigos

1 Comentario(s)

Mara Chaves disse:

Lindo

Comente esta publicação:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Jornadas de Conhecimento