Dirofilariose “Verme do Coração”

Conhecida popularmente como verme do coração, também chamada de cardiopatia parasitária, é uma doença comum às regiões tropicais e subtropicais, sendo encontrada principalmente no litoral brasileiro. Ela pertence a uma classe de parasitas chamados nematódeos e seu nome cientifico é Dirofilaria immitis.

Agora que identificamos aos leitores, podemos falar sobre como ela é transmitida, suas manifestações clínicas e possíveis tratamentos e prevenção.

Transmissão

Sua transmissão ocorre por meio da picada de mosquito (gêneros Aedes, Anopheles e Culex), sendo esse último o pernilongo comum que encontramos em nossas casas quase que diariamente.

O hospedeiro definitivo é o cão. O larva do verme sofre mutações dentro do mosquito para se tornar infectante, e é transmitida a um novo hospedeiro (cão) quando o mosquito pica o animal.

Chegando ao tecido subcutâneo os parasitos continuam sofrendo mutações até se tornarem adultos. Os parasitos jovens atingem o sistema cardiovascular migrando através das artérias e lá ficarão parasitando o cão e dando origem a novos vermes. Acredita-se que no cão, o parasito adulto tenha vida média de três a cinco anos, e as microfilárias de um a dois anos.

A quantidade de vermes adultos, presentes no sistema cardiovascular do cão, influenciará diretamente em seu estado de saúde e manifestações clínicas.

Manifestações clínicas

As manifestações clínicas mais comuns da dirofilariose são: tosse, dificuldade respiratória, intolerância ao exercício e desmaios devido ao acometimento dos pulmões e coração. Também existe a forma hepática da doença que além das manifestações descritas anteriormente também causa insuficiência cardíaca congestiva e distenção abdominal. A doença também pode comprometer o tecido subcutâneo e a função renal. Independentemente da forma clínica, a gravidade da doença está relacionada com o número de parasitos, com a duração do processo e com o estado geral de saúde do cão.

Os câes podem permanecer com a doença sem apresentar sintomas por um longo período, e sendo assim, perde-se um tempo precioso para o tratamento. Muitos tutores procuram o médico veterinário, apenas quando percebem as manifestações de tosse e cansaço em seu cão, e muitas dessas vezes o animal já apresenta um quadro grave da doença.

Diagnóstico

O diagnóstico se baseia em:

  • Histórico do animal, se habita ou visita região endêmica, principalmente as litorâneas;
  • Manifestações relatadas pelos tutores como tosse, cansaço, etc;
  • Exame clínico sendo o mais importante a auscultação cardiopulmonar;
  • Exames complementares como o exame radiográfico do tórax, testes imunológicos, hemograma e bioquímico.

Tratamento e prevenção

Infelizmente no Brasil ainda não temos medicações que definitivamente curem cães diagnosticados com dirofilariose, portanto a prevenção ainda é a melhor saída.

Temos algumas opções de vermífugos que se forem administrados mensalmente, vão conferir proteção efetiva à infecção pelo verme do coração. Também temos como opção uma medicação injetável que também oferece a mesma proteção com aplicação subcutânea anual.

 

Diogenes Augusto Consolino Médico Veterinário, clínica e nutrologia veterinária. Diogenes.consolino@hotmail.com
Voltar

Compartilhe com seus amigos

0 Comentario(s)

Comente esta publicação:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Relacionamento