Nós e o tempo

Não sou uma pessoa de datas, nunca me liguei muito nisso. Acredito que não devemos ficar contabilizando a vida, porque isso não traz nenhum benefício, só uma sensação de peso. As datas que contam são feitas de fatos importantes, como o dia que meu filho nasceu, e guardar a sensação desse momento é essencial. Mas não é a somatória do tempo que traz significado ao que cada coisa representa, é a beleza com que enfrentamos cada dia.

Não sei exatamente quanto tempo passou da última vez que vi um amigo querido. Emocionalmente, é como ter visto ele ontem, mesmo sabendo que senti sua falta e que existem fatos diferentes na nossa vida, que precisamos revelar e atualizar.

Mas não importa quantos meses ou anos se passaram, se conseguimos manter intacta aquela sensação de uma intimidade boa, de um desejo gostoso de estar com o outro.

Muita gente me pergunta do tempo, e eu adoro o tempo. Pra mim o tempo é soberano e celebro sua passagem. Cada dia tenho uma nova experiência, um novo aprendizado, nova sabedoria. Descubro coisas, evoluo, compartilho. Tenho novas surpresas, novos encontros, novos amigos. Reparo na diferença de luz de cada hora do dia e nas mudanças do céu. Nas mudanças de clima e nas mudanças de atmosfera. Novas coisas acontecem, novos rumos se apresentam, novas decisões e escolhas.

Nas mudanças físicas, espirituais e emocionais, busco limpar coisas que pesam e respirar com renovada leveza. Parece uma tarefa simples, e é. Mas não fácil. A simplicidade, amados, nunca é fácil. Pra simplificar essas coisas todas precisa uma vida. Uma jornada de prestar atenção e ter essa proposta constante.

Precisa rever pendências e tentar resolver tudo que for possível.

Comemorar a mudança, abraçar o que a vida traz, compreendendo que cada uma delas traz um recado pra ser lido, um estado de espírito pra ser vivenciado e uma beleza diferente em todas as nossas idades. O passado te trouxe pra onde você está. O agora depende de você.

Voltar

Compartilhe com seus amigos

2 Comentario(s)

Anna Lia disse:

Eu contabilizava muito o tempo das coisas… 3 anos que tal coisa aconteceu, 5 anos se passaram… Mas desde que te conheci, Bruna, já li ou vi entrevistas que você fala sobre não contar o tempo. No começo, talvez, eu não tenha me ligado, acho até que pensei que era meio impossível não marcar datas… Mas de uns tempos pra cá, eu meio que fui parando de pensar em datas e contagens… Acho que me faz muito bem isso, você acaba perdendo a pressa de fazer algo, ou a ansiedade de rever alguém porque faz tantos anos que não a vê… Porque vivenciar é mais importante do que contar. Números não dizem nada. Mas, estou aprendendo com você… Nem sempre é fácil. ❤

Anna Soares disse:

Recebeu??

Comente esta publicação:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *