Atenção nas escolhas

Para ampliar nosso pensamento, temos que nos livrar daqueles circuitos mentais fechados, aqueles compartimentos onde ficam acumulados nossos pré julgamentos, preconceitos, esteriótipos e não deixar que nada do que nos dizem nos perturbe em profundidade. Todos nós julgamos, temos opiniões, achamos alguma coisa de alguém, é natural. Todos nós escutamos histórias, fofocas, piadas, faz parte do cotidiano, mas essas coisas são apenas distrações, que devem permanecer numa camada superficial, social do nosso lado mais mundano. Mas aquilo que a gente realmente carrega dentro, nossos sentimentos verdadeiros não devem ser afetados, senão por coisas que achamos que valem a pena. Aquilo que pode nos iluminar, elevar, fazer bem e ajudar a viver melhor.

Podemos estar em qualquer lugar, conhecer as mais diversas pessoas, ouvir diferentes pontos de vista, nos distrair,  mas temos que aprender a continuar no nosso caminho, cada vez mais fortalecidos e sabendo cada vez mais o que queremos.

Dizem que as novas gerações têm um problema de atenção cada vez maior. É claro que existem muitos graus pra catalogar um TDA, o Transtorno de Deficit de Atenção, que pode ir da agitação de um tempo cada vez mais rápido e muitos outros fatores que podem provocar a hiperatividade.

Mas muitas vezes essa desatenção, fácil de detectar na diversidade da vida interativa das redes sociais, é na verdade, um novo filtro muito mais rápido de interesses. Uma seleção. Em menos de quinze segundos é possível determinar o que nos interessa e o que não tem nada a ver. Pra que perder tempo com coisas que não estimulam, não acrescentam e não nos comunicam alguma coisa de real valor? Mesmo não sendo da geração Z, eu faço o mesmo. Não me deixo levar por nada que possa desviar a minha atenção daquilo que tem realmente a ver comigo, do que acho legal,  do quero aprender, do que me interessa. Quando somos interessados, nos tornamos interessantes. Quando alguma coisa é significativa, a gente quer saber mais. Acho ótimo a gente descartar tudo o que não nos acrescenta nada. E cada um de nós tem que fazer suas escolhas e não se deixar levar pelo que os outros querem te empurrar. Você não precisa ser o que querem que você seja. Você só precisa descobrir o que você é.

Voltar

Compartilhe com seus amigos

1 Comentario(s)

Viagracheap disse:

Eu tb era assim, na verdade eu o que eu fiz para mudar foi ir para uma festa e ficar com uma pessoa lá. A minha insegurança era não saber beijar, mas depois dessa festa eu me senti mais segura para ficar com as pessoas que me interessavam e que se interessavam por mim.

Comente esta publicação:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *