Desejo e erotismo

Sempre escrevi sobre o desejo, a sensualidade, o erotismo como a forma mais libertária da existência. Aquela que não obedece lei, nem censura, mas cria a sua própria escala de valores. O sexo como chave da liberdade.

Quando lancei meu terceiro livro de poesia "O Perigo do Dragão" fui capa da VEJA e a chamada foi:”O Erotismo da Nova Mulher". O texto levantava o tema dizendo que as mulheres através da poesia, posicionavam de uma forma bela e inovadora o desejo da mulher. Muita gente  fala até hoje desse livro nas redes sociais talvez porque o desejo da mulher continue o mesmo. Mas muita coisa mudou. Inclusive as mulheres. O que antes as mulheres confidenciavam hoje é exposto abertamente. Centenas de livros sobre o assunto rodam por aí, zilhões de sites pornô se espalham na Web, tem uma sex shop em cada esquina, mulheres andam com vibradores coloridos na bolsa, trocam de par como quem troca de calcinha e nas baladas ficam com vários. E se alguém criticar esse excesso, é preciso considerar que essa reação é muito melhor que a repressão. 

A liberdade chegou. E com ela sentimentos contraditórios. Nunca se viu tanto vestido de noiva, tanta busca de príncipe encantado, tanto romantismo confuso, tanta oferta, tanto desejo, tanta solidão. Impossível generalizar mulheres, existem todas. Impossível criar um comportamento padrão para a era da diversidade de comportamentos. Para alguns nunca houve tanta vulgaridade, para outros essa livre mulher continua submissa e só mudaram as regras. Seja como for, a sensualidade sussurra, não grita. O erotismo atravessou civilizações e é uma grande arte. A arte do sexo permeia a história da humanidade, cria mitos através dos tempos. Culturas antigas deixaram legados, com seus mistérios e rituais. Preservar seus requintes deveria ser um bem sagrado como os segredos das sacerdotizas. Práticas orientais existem para tentar ensinar e relembrar pessoas uma sabedoria que possivelmente faria do mundo um lugar pacífico e encantado. Muito desse conhecimento foi perdido desde a destruição da biblioteca de Alexandria até todas as fogueiras da Inquisição. O poder tem medo. Pessoas felizes não são facilmente dominadas. 

Hoje, nossa sociedade é pragmática e essencialmente consumista. Consumir sexo pode ser mecânico como qualquer outra compra. Mesmo que divirta e entretenha, mesmo que distraia e iluda.  Há homens e mulheres consumindo sexo com a mesma quantificação de tudo. A mesma coisificação. Porque em algum momento nos fizeram acreditar que estamos comprando felicidade. Quando na verdade, a felicidade é que é a moeda definitiva.

Tenho falado de felicidade no meu trabalho porque acredito nela. E acredito que o sexo está intrinsicamente ligado a ela, assim como está intrinsicamente ligado à nossa emoção. Dizem que os homens fazem sexo e as mulheres amor e brinco com isso. Pode até acontecer o contrário.  Mas às vezes esses paradigmas são quebrados e se misturam e aí sim, acontece o novo.  De dentro pra fora. As pessoas, independente da sua orientação sexual, se repensam. 

O que me atrai no sexo não tem nada a ver com o consumo. Tem a ver com um ser humano melhor. Mais feliz. Tem o desejo de lembrar cada um de nós que viver apaixonadamente faz uma enorme diferença. Estamos todos aqui nesse mundo por causa do sexo. Fomos concebidos numa relação sexual. Vejam o quanto isso é sagrado e importante. Acredito que quando somos movidos por amor, somos pessoas melhores. O amor traz uma atitude transformadora. Fazer sexo é muito bom. Fazer sexo com amor é o Nirvana. O êxtase natural. A verdadeira prova de conexão com o Universo. E ao contrário do que reza a lenda, ele permite sim a entrada no paraíso.

Voltar

Compartilhe com seus amigos

9 Comentario(s)

Paulo Queiroz disse:

💜🙏

RONALDA TEIXEIRA disse:

Eu tb amo sexo com amor DESEJO TERNURA. fui muito amada durante 28banos e sei bem o que é isso.

Rafael Farias disse:

P/ vc Bruna Lombardi, qual a diferença de desejo e erotismo ?
Um precisa do outro ?/
Abraços e boa noite !1

Carlos Alberto Da Silva Peres disse:

bonito

Carlos Alberto Da Silva Peres disse:

livro bom de se ler e com versos lindos

Gilnária disse:

Que linda esta forma de ver o sexo! Pois, sim, algo sagrado, algo divino. “Fazer sexo é muito bom. Fazer sexo com amor é o Nirvana”. Maravilhoso texto!

Simone disse:

Oi querida,, Concordo com suas palavras. Admiro vc como ser que é, e admiro sua maneira leve de falar sobre sexo.
Qual livro você poderia estar me indicando que fala mais sobre esse assunto. Gratidão 🙌

Lurdes Marinho disse:

Maravilhoso como tudo que escreves

Ivone munaro santini disse:

Texto maravilhoso

Comente esta publicação:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

PETs

Relacionamento